domingo, 29 de maio de 2011

Três minutos e meio

  Vi uma  crônica do Ruy Castro no jornal falando sobre relatividade  do tempo.Também creio que o tempo corre diferente para cada um de nós em diferentes momentos, e como o próprio Ruy citou, imagino aqueles passageiros de um avião caindo, nos instantes de terror, cada um deles encontra sua noção de eternidade.Imagino então, qual a sua noção de eternidade?
   Nunca tive que perder nada do que gosto para tentar aproveitar o tempo. Se escuto uma boa música, para mim é como um ato de espírito, eu curto aquilo, eu toco minha guitarra imaginária, e  viajo na letra. Meus objetos...meus inúteis objetos, como gosto de saber que estão ali comigo, matando o tempo, sendo esmagados pelo tempo junto comigo.
  Mas nada como o amor para nos tirar totalmente a noção do tempo. Quando eu ouvi que nada era aquilo que eu imaginava, que eu devia seguir em frente...de repente as coisas pareciam flutuar, e eu entrava num pulsar diferente do relógio do mundo, algo ali se modificou e houve escombros e rachaduras em meus ponteiros, e sei que isso soa cafona. Quando se está junto queremos o impossível: que o tempo se renda a nós, simples almas humanas, mas o tempo curto tem muito valor, muitas vezes o limitado se torna infinito no passar dos instantes, e talvez seja mesmo melhor viver "dez anos a mil do que mil anos a dez".
  As vezes uma  conversa boa com um amigo, ecoa o dia inteiro dentro da gente. Creio que a coisa mais potente contra o passar rápido do tempo seja a dor; com ela tudo se vai vagarosamente, a saudade do amor, ou do pai que perde o filho, não meço e nem comparo, mas sei que a solidão devora as horas e não podemos colocar o foco no ponteiro dos relógios. Revivo alguns momentos como se tivessem ocorrido ontem e isso pode fazer rir ou chorar, talvez o mais saudável seja manter viva as lembranças, mas não tão perto para que não matemos o presente e percamos o momento.
  A vida é dura, e nunca é justa, pra ser mais enfático, não creio em justiça e injustiça na vida, tenho a impressão de que sempre o buraco é mais fundo e não compreendo nada, ainda mais sobre desígnios e acontecimentos, por mais assombrosos que sejam.
  Mas minha noção de eternidade é aproveitar cada manhã pra respirar fundo, pois isso que me sobra, o resto é nada, a vida é imensa e o tempo invencível, me recolho a condição medíococre de quem não quer mais matar o tempo, só vivê-lo, se bem que não há escolha, a gente segue, e segue....





PENSAMENTO CONSEQUENTE DO DIA:  Essa minha secura
essa falta de sentimento
não tem ninguém que segure,
vem de dentro.

Vem da zona escura
donde vem o que sinto.
Sinto muito,
sentir é muito lento.

Paulo Leminski

Um comentário:

  1. Obrigada pelo carinho!
    Te sigo agora!
    Boa semana pra ti!

    ResponderExcluir

PENSARAM MAL E COMENTARAM