sexta-feira, 8 de julho de 2011

TRÊS MINUTOS E MEIO (reedição)

ESTOU REEDITANDO UM TEXTO ANTIGO:




Vi uma  crônica do Ruy Castro no jornal falando sobre relatividade  do tempo.Também creio que o tempo corre diferente para cada um de nós em diferentes momentos, e como o próprio Ruy citou, imagino aqueles passageiros de um avião caindo, nos instantes de terror, cada um deles encontra sua noção de eternidade.Imagino então, qual a sua noção de eternidade?
   Nunca tive que perder nada do que gosto para tentar aproveitar o tempo. Se escuto uma boa música, para mim é como um ato de espírito, eu curto aquilo, eu toco minha guitarra imaginária, e  viajo na letra. Meus objetos...meus inúteis objetos, como gosto de saber que estão ali comigo, matando o tempo, sendo esmagados pelo tempo junto comigo.
  Mas nada como o amor para nos tirar totalmente a noção do tempo. Quando eu ouvi que nada era aquilo que eu imaginava, que eu devia seguir em frente...de repente as coisas pareciam flutuar, e eu entrava num pulsar diferente do relógio do mundo, algo ali se modificou e houve escombros e rachaduras em meus ponteiros, e sei que isso soa cafona. Quando se está junto queremos o impossível: que o tempo se renda a nós, simples almas humanas, mas o tempo curto tem muito valor, muitas vezes o limitado se torna infinito no passar dos instantes, e talvez seja mesmo melhor viver "dez anos a mil do que mil anos a dez".
  As vezes uma  conversa boa com um amigo, ecoa o dia inteiro dentro da gente. Creio que a coisa mais potente contra o passar rápido do tempo seja a dor; com ela tudo se vai vagarosamente, a saudade do amor, ou do pai que perde o filho, não meço e nem comparo, mas sei que a solidão devora as horas e não podemos colocar o foco no ponteiro dos relógios. Revivo alguns momentos como se tivessem ocorrido ontem e isso pode fazer rir ou chorar, talvez o mais saudável seja manter viva as lembranças, mas não tão perto para que não matemos o presente e percamos o momento.
  A vida é dura, e nunca é justa, pra ser mais enfático, não creio em justiça e injustiça na vida, tenho a impressão de que sempre o buraco é mais fundo e não compreendo nada, ainda mais sobre desígnios e acontecimentos, por mais assombrosos que sejam.
  Mas minha noção de eternidade é aproveitar cada manhã pra respirar fundo, pois isso que me sobra, o resto é nada, a vida é imensa e o tempo invencível, me recolho a condição medíococre de quem não quer mais matar o tempo, só vivê-lo, se bem que não há escolha, a gente segue, e segue....







PENSAMENTO CONSEQUENTE DO DIA:  Essa minha secura
essa falta de sentimento
não tem ninguém que segure,
vem de dentro.

Vem da zona escura
donde vem o que sinto.
Sinto muito,
sentir é muito lento.

Paulo Leminski

6 comentários:

  1. Aquiles,

    O tempo que dispensamos para coisas que gostamos (música, conversa, bar, cinema, silêncio) nos for prazeroso jamais será tempo perdido,

    Nunca,


    Um beijo

    ResponderExcluir
  2. Que bonito texto Aquiles!
    Gostei mto da parte que diz que as vezes uma conversa com um amigo ressoa em nós o dia todo. E é bem assim mesmo. O tempo é relativo, e acho que o que nos resta é fazer bom uso dele, e tentar viver cada momento como se fosse o último.
    Mas a bem da verdade, a gente fala, mas nem sempre faz.
    Muito bonito mesmo, parabéns!
    Beijo

    ResponderExcluir
  3. Aquiles,
    Tudo aquilo que nos completa, nos traz alegria e felicidade, não é tempo perdido. Bjkas com mutio carinho!

    ResponderExcluir
  4. na minha página principal tem um mero selinho esperando por vc, bj.

    ResponderExcluir
  5. Adorei esse texto.
    Por um lado bom o tempo não pará, mas por outro lado ruim ele não pará também =|.

    Beju Grande!
    http://nathydorgas.blogspot.com/

    ResponderExcluir

PENSARAM MAL E COMENTARAM