sábado, 24 de março de 2012

A minha versão do amor

  Talvez tenhamos nos amado embora eu ache muito mais provável que não. Tínhamos uma atração pelos erros um do outro, pela melancolia, pela dor, mas acho que não se pode chamar isso de amor.
  Você entendia o final dos meus filmes e eu até que gostava de ouvir aquelas musicas cheias de experimentalismos e conceitos; com você e esse tipo de coisa nos unia: se sentir estranhos ao mundo, não encaixados no lugar mas acho que isso ainda não era amor.
  Nossos santos nunca bateram, eu odeio cigarro e você adora fumar e faz pose, vejo que se sente como alguma atriz do cinema preto e branco. Eu prefiro Caetano e você ama o Chico.


  Você ficava limpando aquelas lágrimas de quando eu bocejava e me sorria e me desarmava de tudo porque no fundo você sabia que eu era avesso a grandes escândalos amorosos e dobrava os joelhos em coisas simples e pequenos gestos e isso era maldade por que aí você abusava demais e sorria e sorria.
  Seus lábios ora hesitantes ora afoitos me tragavam, me sugavam, e no sexo nos completávamos, eu gozava interminavelmente sentindo seu prazer e você gostava daquilo, eu ficava satisfeito em te ver satisfeita por ter me satisfazido mas ainda acho que não chegou a ser amor.


  Quando você decidiu ir embora eu toquei seu braço e depois toquei meu barco em frente, ele foi flutuando em águas turbulentas, acho que eu não quis mais ver nenhum filme nonsense de algum diretor super-estimado e nem expliquei nenhuma letra de música a ninguém, essas coisas tinham mais graça com você.


  Nós dois sempre fomos um casal de revista em quadrinhos,reviravoltas surpreendentes, terceiras pessoas atrapalhando e pudemos dizer que tivemos nossos vilões e que nos amamos e contamos histórias aos amigos falando do quanto foi divertido mas nós dois sabemos que não era amor, talvez uma forte ligação de amizade e sexo. Como eu amava estar entre suas pernas e na sala tocava "sexual healing", e você fechava os olhos "
"And when I get that feeling I want Sexual Healing".
  Acho que fui malhar, fui conhecer uma porção de vagabundas por aí, tudo que antes eu não gostava e você continuou lendo e se intelectualizando enquanto eu prostituí minha escrita e vendia poemas escrotos para sites obscuros a preço de banana. Não me sinto culpado, cada qual vai num caminhozinho besta que escolhe ou como você preferia dizer "um caminho guiado por uma força maior" .
  Mas o pior de tudo é que eu sinto falta desse "não amor", das tardes de domingo transando em frente ao programa do Faustão ou no cinema te irritando com alguma explicação absurda para um filme em que só nós vemos significado aparente.

  Sabotei minha própria esperança de ser feliz para sempre quando deixei de buscar essas coisinhas minúsculas que fazem a gente mais alegre como ver um curta metragem feito de massinha de modelar e achar aquilo o máximo, ando numa maré complicada, mar profundo, explicações pra tudo e todos e muita discussão intelectual inútil e me dá saudade de você as vezes, não por ter sido amor mas por ter sido leve e ter pouco doído, isso em mim foi raro na vida, homem que parece um nervo exposto.


  Mas hoje quem eu sou eu pra te querer, se te trouxesse aqui e admitisse alguma sombra de sentimento seria o fim, porque fomos felizes em não dizer nada e nem prometer.
Acho ainda que você parece garota de filme e eu fico na minha vida inventada, vivendo o que chamo de amor mas bem longe da satisfação que um dia eu tive com nosso não amor.
  Agora quem vem se entregar aos meus cuidados e se lambuzar de um prato cheio de luxúria, beijos e risos na tarde? Ah, eu perdi muito tempo com coisas inúteis e sempre soube disso, útil era ficar sentindo você ofegante com o corpo suado sobre o meu, não que aquilo fosse amor mas era bom e ao contrário de muitas mulheres ter você não era má sorte.
  Num mundo ideal você seria pra sempre minha dividindo a felicidade de jamais ser de canto nenhum mas todo esse nonsense é só mais uma das minhas versões do amor que eu vou gravando na carne.


 



PENSAMENTO CONSEQUENTEO céu está abrindo aos poucos. E eu preferiria que continuasse da cor que você mais gosta.A falta de intimidade, vivo até hoje uma dor que ninguém autoriza. Vivo nela o estranhamento.
Pois quem não estava lá não tem o direito de invadir uma dor familiar.(Ana. C)

37 comentários:

  1. Aquiles,

    Por onde anda?

    Aqui correria de trabalho e aula noutra cidade... Tô distante do blog.

    Bom: eu amo essas diferenças: acrescentam, dão sabor, tem ar de desafio, sou até pouco suspeita,

    E bom, pode não ter sido amor, mas foi uma doida e deliciosa paixão, é o que importa,


    bjkasssssssssssss

    ResponderExcluir
  2. Nossa, cara, não conhecia teu blog, adorei! Só esse texto dá vontade de imprimir um monte e sair espalhando pelo mundo, pra ver se as pessoas entendem que mesmo quando não é amor, é amor.
    Perfeito!
    =)

    ResponderExcluir
  3. A verdade de tudo está no negar o fato.
    Até em achar que nao é amor, é amor! E daqueles que a gente sonha ser pra sempre. Mas amor pra sempre deixa reticências e se vai, num barco chamado vida.
    Um dia você foi um tolo romântico como eu, e esse amor (que nao era amor) que viveu deixou reticências, portanto nao me inveje, pois você é "farinha do mesmo saco". Rsrsrsrs
    Beijokas doces

    ResponderExcluir
  4. O amor tem muitas fases, viva cada uma delas da melhor maneira possível. Um abraço, Yayá.

    ResponderExcluir
  5. Super sincero e cheio de verdades seu texto. Parece um relato de uma paixão, que talvez não tenha dado certo, mas que com certeza, parece ter sido bom enquanto durou.

    Bjs

    ResponderExcluir
  6. Falar de amor é sempre muito difícil para alguns, "eu", e fácil para outros, "você"...
    sério, parece que você já viveu muito, e coloca todas estas experiências nos textos, e estes ao serem lidos, nos trazem sensações maravilhosas, parabéns! (:

    @Jader_Monteiro
    http://cinco-datarde.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  7. Aquiles...

    Fiquei sem fôlego...

    Especialmente hoje... não diferente de sempre, suas linhas me quebraram os ossos. O verdadeiro amor é mesmo aquele que não foi amor.

    Beijo quase doce

    Sil

    ResponderExcluir
  8. Inventar amores... Sei um pouco dessa arte, embora ela ande me causado imensa preguiça.

    Esse foi o "não amor" mais bacana que já li.
    Letra forte, heim menino? Muito bom!
    Beijo!

    ResponderExcluir
  9. Esse foi realmente o melhor não amor que já vi, li, senti..
    Os melhores amores são aqueles que não se concretizam ou que não são pra sempre, mas acredito que a maioria das pessoas não buscam o melhor, buscam oq faz bem.

    Adoro esse cantinho aqui!
    beijos

    ResponderExcluir
  10. Bom dia!
    Passou um filme ao contrário pela minha cabeça.Eu tinha um namorado que fazia tudo o que eu fazia,se não gostava de comer uma coisa ,comia porque eu comia.Não havia mais diálogo nem motivos para discutir.A vida se tornou sem graça.Ai mandei embora.A vida é assim.
    Grande abraço
    se cuida

    ResponderExcluir
  11. Ual *-*
    Aquiles que texto meigo, se superou, parabéns!
    Te mandei convite no face ;)

    ResponderExcluir
  12. Sincero, comovente e verdadeiro. Belo post garoto. Quando escrevemos o que vivenciamos as palavras ganham força e sentido.

    Acho que esta história é verdadeira, por isso quero te dizer que a sua felicidade não depende de outra pessoa. Depende de você mesmo! Se cuida. Relaxa. Outra pessoa aparecerá nos seu caminho. Dê tempo ao tempo!

    abraços fraternais.

    ResponderExcluir
  13. Esse não amor acabou sendo o maior amor, amor pelo não-amor né? Pelos momentos únicos que ninguém substitui, e estes deixam um espaço que nada mais é capaz de preencher, passe o tempo que for, outras coisas virão mas aquele espaço vai estar sempre lá, talvez com a esperança de viver aquilo de novo, de relembrar a sensação que tem, que dá, que desperta. Amei mesmo, a sinceridade, aquilo que vem de dentro, é isso que vale, é isso que se carrega.

    ResponderExcluir
  14. Mais do que o texto, adorei o pensamento consequente: Ninguém sabe o que se passa dentro de nós. Não aceite julgamentos.
    Querido, me add no face.

    Um beijo!!

    ResponderExcluir
  15. Esse foi o melhor texto sobre não amor que eu já li. Queria ter escrito algo tão bom quanto o seu há tempos, mas não consegui traduzir o que se passava dentro de mim como você tão bem conseguiu por em palavras o que acontecia dentro de você.
    Às vezes, pensamos que o amor está em classificar uma relação ou em grandes coisas, quando na maioria das vezes, se encontra nas pequenas coisas que quase nunca damos contas e nas relações sem nenhum tipo de compromisso.
    Parabéns pelas palavras sinceras e meigas ao mesmo tempo.
    Voltarei sempre aqui.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  16. Obrigada meu bem..

    bjos meus
    linda semana pra ti

    @ErikaWaldorf
    http://erikarayanaheart.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  17. Oie , ótima semana, repleta de coisas boas, e animo, que senpre precisamos.
    Deus abençoe.
    asoonhadora.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  18. muito bom ..deixando um abraço..boa semana.

    ResponderExcluir
  19. poha... fiquei pensando muito com teu texto!
    maravilhoso!

    será que vai ser sempre difícil entender o amor?
    ou talvez seja isto mesmo que comprove sua existência... [ou não? :s]

    beijo

    ResponderExcluir
  20. Uma visão interessante sobre esse sentimento universal que é tema de tantos textos.

    ResponderExcluir
  21. Muito bom! Pra gente refletir mesmo! Boa semana, man! Hugz!

    ResponderExcluir
  22. Creio que isso seria (des)amor... o amor é muito complicado, mas tudo serve para aprendermos, né?

    Post lá no 'Incongruencias'

    Abraço!

    ResponderExcluir
  23. Que texto bonito, Aquiles! Extremamente profundo e carregado de sentimentos densos. Bem reflexivo... amei!

    Parabéns. Suas palavras me encantam...

    Um abraço!
    http://universoliterario.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  24. Na minha humilde opinião eis o ápice do texto:
    “Quando você decidiu ir embora eu toquei seu braço e depois toquei meu barco em frente, ele foi flutuando em águas turbulentas, acho que eu não quis mais ver nenhum filme nonsense de algum diretor super-estimado e nem expliquei nenhuma letra de música a ninguém, essas coisas tinham mais graça com você.”

    Ficou muito bom, mesmo com tantas, tantas coisas, pode ser que não tenha sido amor. Ou, pode ser que tenha sido um amor pra guardar. Guardar a tal ‘garota de filme’.

    Tobó, você tem talento e sabe disso. Abraço.

    ResponderExcluir
  25. Boa noite!
    Eu conheço dois meninos poetas.
    Um todo meigo, sentimental, sensivel,
    apaixonado...Outro, cafageste, machista,
    brigão...Mas digo: Voce é lindo das duas
    formas, pois existem em ti, os dois lados
    que uma mulher AMA ter como amante, amor,
    amigo, companheiro,enfim, Voce é um ser
    surpreendente que esconde misterios e segredos
    na hora certa, no momento oportuno, no lugar e
    canto destinado a quem possa interessar...Parabens!
    Seja sempre assim, dualidade faz as mulheres sentirem
    que são amadas e maltratadas...Elas gostam, ou seja,
    nós gostamos(Eu tenho o meu há 28 anos e o amo muito)
    Bjinhos maternais e siga seu coração!

    ResponderExcluir
  26. Oi amigo, arrasando como sempre, parabéns,bjsssssssssssssss

    ResponderExcluir
  27. Belíssimo texto, cheio de imagens dramáticas, muito bem escrito.
    Grande abraço e sucesso!

    ResponderExcluir
  28. Parabéns amigo, muito bom o seu texto, vc escreve maravilhosamente bem.

    bjs:*

    ResponderExcluir
  29. Eta amorzinho Danado hein?!atinge:Poetas,Cronista,escritores e todos seres de coração sensível!
    ******************************************
    Um forte abraço p/ voce Aquiles!!

    ResponderExcluir
  30. Oh,moço danado, sou sua fã.

    As vezes um quase amor nos faz sentir tão melhor que um amor... O amor de verdade nos faz levitar é bem verdade, e nada é melhor do que isso, mas as dores provocadas por ele, serão sempre lembradas, as vezes até mais que os momentos amorosos.

    Viver um quase amor é a pedida do momento... rs

    Abraços

    ResponderExcluir
  31. Cada um tem a sua visão própria.
    Ótimo texto e ótima reflexão.
    Obrigado pela tua visita.
    Abraços fraternos.

    ResponderExcluir

PENSARAM MAL E COMENTARAM